segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Uma musiquinha para os corações machucados...

Coração em Desalinho
(Monarco)

Numa estrada dessa vida
Eu te conheci
Oh Flor!
Vinhas tão desiludida
Mal sucedida
Por um falso amor...

Dei afeto e carinho
Como retribuição
Procuraste um outro ninho
Em desalinho
Ficou o meu coração
Meu peito agora é só paixão
Meu peito agora é só paixão...

Tamanha desilusão
Me deste
Oh Flor!
Me enganei redondamente
Pensando em te fazer o bem
Eu me apaixonei
Foi meu mal...

Agora!
Uma enorme paixão me devora
Alegria partiu, foi embora
Não sei viver sem teu amor
Sozinho curto a minha dor...

Numa estrada!
Numa estrada dessa vida
Eu te conheci
Oh Flor!
Vinhas tão desiludida
Mal sucedida
Por um falso amor...

Dei afeto!
Dei afeto e carinho
Como retribuição
Procuraste um outro ninho
Em desalinho
Ficou o meu coração
Meu peito agora é só paixão
Meu peito agora é só paixão...

Tamanha desilusão
Me deste
Oh Flor!
Me enganei redondamente
Pensando em te fazer o bem
Eu me apaixonei
Foi meu mal...

Agora!
Uma enorme paixão me devora
Alegria partiu, foi embora
Não sei viver sem teu amor
Sozinho curto a minha dor
Sozinho curto a minha dor
Sozinho curto a minha dor...



Para ouvir no blip.fm: aqui

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Aprendi com Manoel Carlos em Páginas da Vida, ops, em Viver a Vida, a cantar quando não tenho nada a dizer. Pode ser por não ter entendido algo ou por uma situação ter me deixado sem palavras. Canto assim, simples, versos que refletem a vida:

"Sei lá, sei lá. A vida é uma grande ilusão."

E é assim que eu sinto hoje. Porque quando queremos demais algo é que não vem mesmo.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Sobre hoje. E sobre sempre.

Dialética
(Vinicius de Moraes)

É claro que a vida é boa
E a alegria, a única indizível emoção
É claro que te acho linda
Em ti bendigo o amor das coisas simples
É claro que te amo
E tenho tudo para ser feliz
Mas acontece que eu sou triste...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Se tem uma coisa em que eu posso me considerar uma mulher de sorte, é nos amores. Eu tive a felicidade de amar e ser correspondida em não apenas um, mas em vários dos meus relacionamentos. Por isso mesmo que nao consigo me tornar uma solteira convicta, panfletária dos ideais da pegação generalizada como forma para se atingir a felicidade.

Quem nunca encontrou o amor e é descrente dele pode simples e impunemente buscar apenas envolvimento sexual em seus relacionamentos. Quem amou procura envolvimentos emocionais porque sabe que isso melhora a qualidade de tudo, inclusive do sexo.

Posso ter mil transgressões sexuais, ser emocionalmente confusa e nao saber direito o que quero, mas uma coisa eu sei muito bem: para mim, a felicidade plena é reservada aos pares.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Estou bem grande para esse negocio de "faça o que eu falo, nao o que eu faço". Se quiser dar lição de moral, bom que voce seja exemplo no que diz.

Eu, que nao sou exemplo de nada, prefiro dar é risada. E nao lição de moral.

Sem mais que vou la rir. Dessa vez, dos outros, claro.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Eu sempre fui muito intensa. E ao mesmo tempo, sempre convivi com um enorme medo de sentir. A ponto de ignorar meus sentimentos, de alija-los, coloca-los em um canto seguro, dentro de uma caixa de Pandora, que me permitisse tocar a vida até que nao pudesse mais esconder de mim mesma. Como típico de quem vive assim, o sentimento explodia e descontrolado tomava a força de impulsão, de jorro, de estouro. Momento em que eu saia de mim e sentia tudo tão clara e plenamente que não conseguia mensurar ser mais assustador sentir ou sufocar.

Eu me perguntei tantas vezes se deixar o sentimento tomar forma aos poucos e ir me acostumando com ele nao seria melhor do que esperar tudo explodir e ir aqui e acolá catando meus cacos e tentando me acostumar com o que surgiu, com esse Big Ben gerando galáxias de sentimentos para os quais não me preparei.

Penso que talvez seja chegada a hora de abandonar o "Nao quero contar nem a mim mesma certas coisas", da Clarice Lispector, para uma postura mais leal comigo mesma. Falar-me a verdade. Ainda que só para mim, devagar. Pequenas palavras de realidade a cada dia. Permitindo-me ver o sentimento chegar manso e calmo, ao invés de invasivo, bagunceiro e desnorteador.

Será que estou finalmente pronta e madura para esse pacto? Eu penso que sim. Então vamos vivendo os sentimentos em pílulas diárias, com a constância e a calmaria que a tal da maturidade costuma trazer. Let's try.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Da arte de produzir atos falhos

Capítulo 1: Diálogos no msn

Discutia com um amigo sobre sair com mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Claro que eu estava alardeando a minha tendência a monogamia nestes casos. E obviamente comentava sobre o quão ansiosa isso me deixava. Antes do ato falho, que roubou qualquer moral para prosseguir no assunto, claro. Confiram abaixo a minha capacidade de destruir argumentações e, ao mesmo tempo, deixar escapar o real comportamento por trás da situação:

Deds diz:
Mas eu qdo m envolvo e m empolgo so tenho olhos p mim
Ops
Pro cara
Fred... diz:
putz, depois desse ato falho eu paro
Deds diz:
Hahahaha
Provou seu ponto?
Fred... diz:
sério, parei a conversa! foi dos melhores q eu já vi!!!
Deds diz:
Hahaahaha
Pq?
Fred... diz:
provou e comprovou e ainda reconheceu firma
Deds diz:
Hahahaha
Eh o problema todo sou eu mesma
Fred... diz:
pq é isso, qm não se aguenta é pq no fundo tá mt preocupado é com as próprias dificuldades, com a própria ansiedade. olha tanto pra si próprio, pro que pode acontecer consigo próprio que não consegue esperar as coisas andarem por si sós...
Deds diz:
Eu sei. Dia desses aprendo a lidar.


O interlocutor é o F.B., a quem já dediquei uma prosa poética tempos atrás. Alguém que ainda hoje marca cada vez que passa pela minha vida. Ainda que via msn.

(Eu estava no msn via celular e TIVE QUE PEDIR para ele me mandar esse trecho do diálogo, claro. Isto tinha de virar um post.)

terça-feira, 6 de outubro de 2009

2 posts por aqui num dia só?! Isso mesmo! rs Eu estava há dias com um post pronto no celular sobre dançar. E resolvi postar hoje, já que passei por aqui.

La vai:

Eu adoro dançar. Pode ser boate, dai prefiro um hip hop ou então baile de dança. Sempre que vou a este segundo penso em montar uma cartilha, com dicas para transformar a sua noite e a dos outros em algo legal rs. De fato, minhas dicas sao mais direcionadas aos cavalheiros para fazerem as damas que vão conduzir pelo salão mais felizes rs:

- Não vá de regata. Dependendo da posição da mão e da altura da dama, ela pode acabar com a mão nas suas axilas. Não é legal;

- Pergunte nosso nome. É questão de educação e provavelmente em um baile não vamos achar que voce está dando mole.

- Vá cheiroso e com desodorante em dia. Não ia nem falar nisso porque acho excesso de zelo, mas não custa mencionar.

- Não aperte a mão direita da dama demais. É uma mãozinha e nao uma batata cozida para se fazer pure;

- Salão não é local de aula de dança, salvo se voce tiver intimidade com a dama. Ela não acerta o passo? Ou ela não sabe fazer ou voce esta conduzindo mal. Pare de fazer o passo e faça os que funcionam.

- Não gostou de dançar com a dama? Espere a música acabar e ai então agradeça pela dança e se despeça. Só.

- Nada de se engraçar e ir descendo mão para alisar a dama ou aproxima-la demais. Se não sabe dançar educadamente não vá ao salão. Dança pode dar tesão, mas ali não está a dama te oferecendo preliminares gratuitas.

- Damas podem passar a noite inteira dançando com voce ou aceitar mil danças e não querer te beijar na boca depois. É normal. Veja pelo lado positivo e fique feliz porque é sinal que voce dança bem.
Meu problema é a constante sensação de que deposito minha felicidade em mãos alheias. Como se eu, por conta própria, não me bastasse para ser feliz.

A consequência? Decepção. Afinal, a única pessoa que não tende a nos decepcionar somos nós mesmos.

Mas não dizem por ai que é impossível ser feliz sozinho? Eu continuo tentando.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Finalmente uma felicidade timida por aqui.
Eu precisava mesmo de diversão, amigos e dança.
Com o tempo tudo se resolve. E vai ficar tudo bem, tenho certeza.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

A vida anda corrida. Precisei encontrar uma amiga e aproveitei o horário de almoço + horário da manicure pra isso. Fui ao salão que ela frequenta, marquei unha lá para podermos papear. Sente o papo que rolou: eu, amiga e manicure.

Manicure (M): - Seu irmao é um gato! Por que voce nao apresenta pra ela? (apontando pra mim)
Amiga (A): - Eu ja quis apresentar, mas acho que nao rolou interesse mutuo.
Eu: - Ele nao é o meu tipo.
(M): - Mas por que? Qual é o seu tipo?
Eu: - Meu tipo é encrenca. Só curto homem complicado, com traumas e dificil de lidar. Gosto de desafios. *rindo*


Claro que falei debochando. Eu tenho de rir de mim mesma. Porque o diálogo tem lá sua medida de verdade!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Acordei pensando nessa poesia que me lembra os tempos de faculdade e um amor que eu tive por lá. Desses tao grandes que achamos que quando se vai arrebenta junto o coração. E arrebenta mesmo.

Um dia um ex me falou que nunca deixavamos de amar determinadas pessoas, o sentimento apenas se atenuava e ficava quietinho no seu canto. Parece certo.

Eu ja postei outrora esse soneto aqui porque na ocasiao eu estava com o livro do Neruda e o menino me pediu para selecionar algo que expressasse o que eu sentia por ele. E eu selecionei o Soneto XI. O queixo dele caiu, nem preciso dizer, né?

O poema fala mais do que de um amor, mas de um desejo de possuir com intensidade uma pessoa.

Espero que gostem.

Soneto XI
Pablo Neruda

Tenho fome de tua boca, de tua voz, de teu pelo,
e pelas ruas vou sem nutrir-me, calado,
não me sustenta o pão, a aurora me desequilibra,
busco o som líquido de teus pés no dia.

Estou faminto de teu riso resvalado,
de tuas mãos cor de furioso celeiro,
tenho fome da pálida pedra de tuas unhas,
quero comer tua pele como uma intacta amêndoa.

Quero comer o raio queimado de tua beleza,
o nariz soberano do arrogante rosto,
quero comer a sombra fugaz de tuas pestanas

e faminto venho e vou olfateando o crepúsculo
buscando-te, buscando teu coração ardente
como um puma na solidão de Quitratúe.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Na Babacolandia é cheia de paunocuzismos, sabe? Re-ple-ta.

E tem gente que nao muda nunca. Nao aprende, regride. Nao vai entender nada nunca.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

"As coisas que as pessas que se amam fazem umas as outras é que sao lembradas. Se elas continuam juntas nao é porque esqueceram, mas porque perdoaram-se"

Acho que é do filme Proposta Indecente.

Eu achei lindo. Queria que tocasse um coração. Só um, além do meu.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Vamos ja parar com esse negocio de dicotomia em relacionamento? Por que um tem de ser o malvadinho e o outro o bonzinho? Por que tem de haver vítima e algoz?! Acho que rola um excesso de cultura de novela e de contos infantis na cabeça de algumas pessoas.

A vida é feita de escolhas e de ação e reação. Um age e na sequencia o outro reage. Claro que sempre pode ter um momento que um dos 2 exagerou demais na reação. Ok, acontece. Conversa-se, explica-se e, se for o caso, busca-se perdoar. Perdoar nao da boca pra fora ou perdoar correndo para quilometros de distancia, colocando-se em uma redoma de vidro. Perdoar dando chance para o outro provar que mudou, que pode ser tudo diferente. O perdao nao é um esquecimento, mas uma tentativa sincera de dar ao outro oportunidade de colocar para tras os erros, tentar ser melhor e sem espezinhar o sentimento alheio. Isso é perdoar.

Ninguém erra sozinho num relacionamento e pode existir o momento em que cada um pisa na bola. Então vamos parar de apontar dedinhos, de querer julgar, de especular e de crescer para cima do outro. Entre duas pessoas só elas mesmas sabem o que aconteceu. Palpites demais, revanchismo e vingança não dao certo em nenhuma relação.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Quem me conhece sabe que não costumo expressar sentimentos por escrito. Explico: nada de cartões, mensagens fofinhas (ok, sms são liberados). Nao espere de mim nada por escrito, quase que contratualizado, uma carta de sentimentos e intenções. Eu nao escrevo nem "de para" em presentes. Gosto de me poupar das obviedades e da cafonice que permeia esse tipo de ações.

Acho que sentimentos se demonstram por ações. Uma palavra na hora devida, uma atenção precisa e até mesmo um cafuné. No futuro, as pessoas lembrarão de mim pela amizade e pelo amor que lhes devotei e não pela beleza de um cartão que escrevi. Cartão este, aliás, que daqui a 20 anos terá se perdido no tempo, rasgado, sumido em uma mudança.

Não, eu nao sou desprovida de nocao social e eu sei que os outros gostam de cartões e cartas em geral. Bom para eles, ne? rs

Esses dias eu escrevi uma carta. Carta mesmo, em papel, de próprio punho, pra mandar pelo correio. Tem nocao do quanto isso representa pra mim? Do quanto isso é uma quebra nos meus paradigmas de vida e no que eu acredito ser adequado para a minha vida e dos que me cercam?

(Ok, e voces pensaram que eu super preciso de terapia para lidar com meu bloqueio de expressar sentimentos. Pode ser que estejam certos. rs)

Imaginaram o que falei, ne?

Ok, eu vou ser justa e falar que foi precisei escrever para não sufocar. Mas é um grande passo para mim, algo muito grandioso. Tem noção do quanto isso me custou psicologicamente? rs

Só torço para que a carta atinja os objetivos que eu imaginei para ela ao escreve-la.

*Esperançosa*
E ao mesmo tempo, preparada para quebrar a cara.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Sobre relacionamentos

Há um tempo atrás eu me dizia fã de relacionamentos inominados, achava que nomes eram mero capricho, uma convenção social dispensável, uma chatice sem fim. Afinal, super moderno não carimbar um relacionamento como sendo isto ou aquilo.

Hoje eu tenho uma outra compreensão. Os nomes dos relacionamentos servem para que saibamos o que esperar do outro e como deveríamos nos comportar em relação a esse mesmo outro. Ajuda-nos a lidar com expectativas e modulá-las de acordo com nossos anseios.

Para pessoas ansiosas esclarecer o teor de um relacionamento parece essencial, parte do viver. Ajuda a dar calma, a ponderar e nao ter vontade de sair correndo pela primeira porta que se abrir. Poupa também aqueles momentos inquisitoriais em que voce pergunta mil vezes para a pessoa o que ela sente ou então os martírios mentais de reviver frases, comportamentos e situações em busca de uma certeza sobre o que sente e o que espera o outro.

Faz tempo que deixei de ter medo de relacionamentos. Nem por isso me jogo de cabeça. Sou muito mais ponderada hoje em dia. E preciso nomear as situações. Namorar, casar, ser amigo é algo muito sério para mim.

Eu levo relacionamentos e sentimentos alheios a sério, com todo respeito que posso. E não consigo, não conseguirei nunca deixar de esperar que os outros façam o mesmo por mim.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Mais uma despedida. Quantas mais aguentarei passar? Por quantas mais passarei? Até quando aguento?

Eu nao sei. Só sei de uma tristeza e de uma melancolia, de um luto indescritível.

Enquanto isso, tento ocupar minha mente como posso. Sem saber do amanhã.



Claro que tudo tem trilha sonora na minha vida. Deixo aqui entao o que preparei:

♫ http://blip.fm/~9jkev
http://blip.fm/~9jktx
http://blip.fm/~9jkv8
http://blip.fm/~9jlmc

segunda-feira, 6 de julho de 2009

"Queria continuar a vê-lo mas sem precisar tão violentamente dele."
(Clarice Lispector)


É assim que meu corpo pulsa hoje.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Acordei com essa musica na cabeça e com esse sentimento no coração.

Sou sua
Adriana Calcanhoto


Sou sua luz
Sou sua cruz
Sou sua flor
Sou sua jura
Sou sua cura
Pro mal do amor
Sou sua meia
Sou sua sereia
Cheia de sol
Sou sua lua
Sua carne crua
Sobre o lençol

Sou sua Amélia
Sou sua Ofélia
Sou sua foz
Sou sua fonte
Sou sua ponte
pro além de nós
Sou sua chita
Sua criptonita
Sou sua Lois
Sou sua Jóia
Sou sua Nóia
Sua outra voz

Sou sua, sou sua
Sou sua
Plenamente
Sou sua, sou sua
Sou sua
Simplesmente



Para ouvir... http://blip.fm/~96zau

domingo, 21 de junho de 2009

Ontem recebi uma ligação de uma amiga queridissima. Segue o diálogo. Tem coisas que SO acontecem na minha vida, sabe?

Amiga: - Qual a boa?
Eu: - Ah, to recebendo parentes aqui.
Ela: - To indo com o bofe no bibi crepes.
Eu: - Com o bofe?
Ela: - Vamos?!
Eu: - Contei aqui: eu, vc e o bofe. 3 é impar. Amiga, me conta... pra que vc precisa de mim?! rs


E assim atualizamos esse blog.

domingo, 31 de maio de 2009

"Alivia a minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão está dada à minha, faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade, faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte, faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, faze com que eu não Te indague demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta, faze com que me lembre de que também não há explicação porque um filho quer o beijo de sua mãe e no entanto ele quer e no entanto o beijo é perfeito, faze com que eu receba o mundo sem receio, pois para esse mundo incompreensível eu fui criada e eu mesma também incompreensível, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, abençoa-me para eu viva com alegria o pão que eu como, o sono que durmo, faze com que eu tenha caridade por mim mesma, pois senão não poderei sentir que Deus me amou, faze com que eu perca o pudor de desejar que na hora de minha morte haja uma mão humana amada para apertar a minha, amém."

(Clarice Lispector)

terça-feira, 24 de março de 2009

Battlestar Gallactica

Hoje terminou para mim - já havia encerrado nos EUA na sexta-feira - um dos melhores seriados de todos os tempos, Battlestar Gallactica. Quem me conhece bem sabe que detesto ficção científica, mas esse ultrapassou a barreira do sci-fi para adentrar na mente humana, no comportamento do ser humano em situações de limite, de extremo. Um laboratório do ser humano, uma forma de pensar o futuro, o passado e o presente. Primorosa série pela qual é impossível nao se apaixonar e se envolver.

Bom, nem preciso dizer que recomendo a todos que assistam, né? A julgar pelo meu entusiasmo... ;) É o tipo de série que te faz vibrar junto, te faz pensar sobre a vida, chorar, rir, ter raiva, medo. Tudo ao mesmo tempo.

Para deixa-los com um gostinho do que é Battlestar Gallactica, uma frase do último episódio:

"Deus não está no lado de ninguém. Deus é uma força da natureza... muito além do bem e do mal. Nós criamos o bem e o mal." Bsg s04e20


So say we all.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Yes, nos temos twitter no blog!! :)


Demorei algum tempo para entrar no twitter e ver suas funcionalidades. Hoje posso dizer que ele é um dos responsáveis por "roubar" minha vontade de bloggar. Simples: no twitter voce coloca o que esta pensando em mensagens de ate 140 caracters. É uma rede social, voce adiciona seus amigos, eles comentam o que voce fala, voce comenta o que eles falam. E da para adicionar sites, blogs e outros veiculos informativos que tenham twitter também.

Mas qual a vantagem?! A vantagem é que é rapido, facil e simples de usar. Dá para escrever da rua, em qualquer lugar, usando o celular e consome pouca banda. Por isso mesmo tenho usado e gostado tanto do twitter.

Estava já há um tempinho querendo fazer modificações no blog, modernizar mesmo e para isso o twitter veio a calhar... E também ajudará a tirar meu eterno peso na consciência de nao bloggar tanto quanto antes rs.

Ainda vou mexer no script to twitter para que voces identifiquem melhor do que se trata. Está ali, logo abaixo da caixinha rosa com as minhas descrições pessoais.


Para saber mais sobre twitter: leiam aqui este artigo.


O proximo passo será colocar RSS no blog rs. Um dia, um dia.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Não entendo a compulsão pelo desagrado de algumas pessoas. Se não gostam do blog, por que continuam vindo ler? Eu hein, gente doida!

Mas, pensando nessas pessoas, acabei com essa historia de comentários anonimos. Assim ajudo aqueles que nao fazem mais nada da vida e tem tempo de ficar perturbando quem está quieto a mostrar a cara e decidir o que vão ser quando crescerem.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Já aprendi a não criar expectativas em relação a determinadas pessoas. De onde menos se espera é que não vem nada mesmo. Só que em um impulso de otimismo e de crença no melhor do ser humano ainda me pego especulando, pensando e desejando que daquela vez, naquela situação, apenas nesse caso nao seja assim.

Eu juro que tento ser otimista e buscar ver o melhor em tudo e em todos, mas com tantas frustrações penso ser melhor o pessimismo. Não esperar nada. Nunca. E aí sim poder, um dia, me surpreender com alguma coisa boa.

Nas palavras de Clarice Lispector: "Não sinto nada, apenas vivo."

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

O Apanhador de Desperdícios
(Manoel de Barros)


Uso as palavras para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo inseto mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as moscas.
Queria que a minha voz tivesse o formato de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.

domingo, 25 de janeiro de 2009

domingo, 4 de janeiro de 2009

Finalmente entrei na era da tecnologia! Agora tenho um smartphone e internet ao meu alcance em qualquer lugar! To adorando a brincadeira rs. Agora mesmo to postando direto do celular via rede wifi daqui de casa so pra testar :D Delicia de brinquedo novo!